09 Sep. 2019, 13h00

Tampinha Legal é fonte de recursos para entidades assistenciais

Programa, desenvolvido em Goiás pelo Simplago, remunera coleta de todos os tipos de tampas plásticas. Valores obtidos são destinados integralmente para entidades assistenciais cadastradas

Na próxima quinta-feira, dia 12 de setembro, às 10 horas, acontece a primeira pesagem das tampas plásticas coletadas pelas instituições assistenciais cadastradas no programa Tampinha Legal. A iniciativa, implantada pelo Sindicato das Indústrias de Material Plástico do Estado de Goiás (Simplago) com o apoio das empresas Grafigel e Bom Lixo, é fonte de recursos para o desenvolvimento de trabalhos sociais das entidades assistenciais cadastradas.

"O programa, além de incentivar a economia circular, é fonte de renda para as instituições filantrópicas. Com a ação, envolvemos a comunidade e disseminamos a cultura da reciclagem para as futuras gerações", explica o presidente do Simplago, Bruno Beraldi.

A coordenadora-geral do Centro de Educação Infantil Nossa Senhora de Nazaré, Suede Aparecida da Silva, destaca o caráter educativo do projeto, reforçando nas crianças a importância da colaboração com o meio ambiente. "O envolvimento foi intenso e ofereceu diversos momentos de aprendizagem", observa. Cerca de 400 pessoas participaram diretamente na mobilização do CEI Nazaré, garantindo o recolhimento de cerca de 18 mil tampinhas.

Também integrante do programa, o Centro de Orientação, Reabilitação e Assistência ao Encefalopata (Corae) é outra instituição beneficiária dos valores revertidos nessa primeira pesagem do Tampinha Legal. Cerca de 300 pessoas mobilizaram-se na ação, envolvendo as famílias atendidas, os funcionários e os parceiros. "Arrecadamos mais de 3 mil tampinhas e estamos aperfeiçoando nossa estratégia de coleta e separação do material para crescermos no programa", esclarece a assistente social do Corae, Leciuda Pereira de Sousa.

Igualmente engajados, os membros da Associação Down de Goiás (Asdown) recolheram mais de 100 mil tampinhas nessa primeira fase do projeto. "Apesar de ainda não termos cadastrado nenhum ponto físico para coleta, conseguimos sucesso na campanha com a ajuda das mães, amigos e vizinhos", diz a presidente da Asdown Goiás, Ana Maria Ferreira Motta Fernandes.

Lançado em abril deste ano em Goiás, o programa Tampinha Legal também é desenvolvido com sucesso nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, São Paulo e Alagoas. No total, mais de 240 toneladas de tampas plásticas já foram recolhidas, remunerando as entidades assistenciais cadastradas em mais de R$ 440 mil.

"Muitas entidades encontram no programa uma fonte voluntária de receita extra. O objetivo é engajar a sociedade e a indústria local, incentivando o reaproveitamento de materiais no ciclo produtivo", conclui o presidente do Simplago, Bruno Beraldi.

TAMPINHA LEGAL
O Tampinha Legal é o maior programa socioambiental de caráter educativo da indústria de transformação do plástico da América Latina. Desenvolvido pelo Instituto SustenPlást e lançado, em 2016, na segunda edição do Congresso Brasileiro do Plástico (CBP), o programa propõe ações modificadoras de comportamento de massa, por meio do fomento e incentivo da coleta de tampas de plástico. O objetivo é aumentar o esclarecimento quanto ao destino adequado dos resíduos plásticos. Os valores obtidos com a venda do material são destinados integralmente às entidades assistenciais cadastradas.

1 comentários

  • Flávio Barros  |  09/09/2019 19:26

    Excelente iniciativa!

Escreva um comentário: