12 Jul. 2019, 13h30

Produção industrial goiana aumenta em maio

No mesmo período, PIM-PF caiu em 8 dos 15 locais pesquisados. Goiás foi o terceiro estado que mais cresceu, atrás somente do Pará e Rio de Janeiro

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta sexta-feira (12), mostram que a produção industrial caiu em 8 dos 15 estados pesquisados no mês maio/2019. Os números fazem parte da Pesquisa Industrial Mensal Produção Física (PIM-PF), que analisa os indicadores de curto prazo relativos ao comportamento do produto real das indústrias extrativa e de transformação. Goiás foi o terceiro estado que mais cresceu em relação a abril/2019, com incremento de +1,6% na produção industrial.

Com relação a maio do ano anterior, o crescimento goiano foi de +13,9%. No acumulado do ano, a taxa é de +3,2%; porém o resultado segue negativo em -2,5%, quando analisado os últimos 12 meses.

Na análise interanual, ou seja, comparando maio de 2019 com maio de 2018, o aumento de 13,9% na produção industrial foi reflexo do crescimento da indústria de transformação (+15,4%), destacando os setores: fabricação de outros produtos químicos (+65,7%), com a maior produção de adubos e fertilizantes; fabricação de produtos de minerais não metálicos (+22,2%), com aumento na fabricação de cimentos e massa de concreto; e fabricação de veículos automotores (+21,1%). O único setor a apresentar queda nessa base de comparação foi fabricação de produtos de metal (-23,2%), com redução na produção de esquadrias de alumínio e latas de ferro e aço. A indústria extrativa também apresentou queda de -14,2%.

Vale ressaltar que em maio de 2018 a produção industrial foi afetada pela paralisação dos caminhoneiros. Além desse fator, o efeito calendário também influenciou o aumento da produção em maio atual, uma vez que em 2019 o mês em análise teve um dia útil a mais.

No acumulado do ano, o resultado positivo (+3,2%) foi puxado, principalmente, pela maior produção de biodiesel e álcool etílico, crescimento de +9,4%. A fabricação de produtos alimentícios também contribuiu para esse crescimento (+6%), com aumento na produção de carnes, óleo, açúcar e leite. Já a fabricação de esquadrias e latas de aço puxou o indicador para baixo, a queda no setor é de -20,4% nos cinco primeiros meses do ano.

Indicadores PIM-PF GOIÁS

✔ Maio 2019/Abril 2019: +1,6%

✔ Maio 2019/Maio 2018: +13,9 alta significativa deve-se principalmente à greve dos caminhoneiros.

✔ Média móvel trimestral (no trimestre encerrado em maio): +0,6% ocupando a terceira colocação, atrás somente de RJ (+1,9%) e Paraná (+0,9%).

✔ Acumulado no ano: +3,2% apontando avanço significativo quando comparado com último semestre de 2018 (-5,7%). Resultado colocou o estado na quinta colocação atrás de PR, RS, SC e CE.

✔ Acumulado nos últimos 12 meses: -2,5% apesar de negativo, resultado foi o terceiro maior ganho de ritmo registrado entre os estados, saindo de -4,9% para -2,5%.


Indicadores PIM-PF BRASIL

As quedas mais acentuadas foram:

✔ Espírito Santo (-2,2%) segunda taxa negativa consecutiva e acumulando perda de 6,7% no período.

✔ Rio Grande do Sul (-1,4%) eliminando parte do crescimento de 3,2% registrado em março e abril de 2019.

✔ Santa Catarina (-1,3%) interrompendo quatro meses seguidos de alta, período em que acumulou expansão de 4,9%.

✔ Minas Gerais (-1,0%) voltando a recuar após apontar ligeiro acréscimo de 0,1% em abril de 2019.

As taxas positivas foram:

1°) Pará (+59,1%teve a maior alta da série histórica, impulsionado pela retomada da produção de importante planta produtiva no setor extrativo e interrompendo três meses consecutivos de queda, com perda acumulada de -38,7% no período.

2º) Rio de Janeiro (+8,8%)

3°) Goiás (+1,6%)

4°) Amazonas (+1,2%)

5°) Bahia (+1,1%)

6º) Paraná (+0,7%)

7°) São Paulo (+0,1%)

Escreva um comentário: