08 Aug. 2019, 17h00

Fieg participa de painel sobre a Rodovia Norte-Sul

A Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg) participou nesta quinta-feira (08/08) do painel sobre a Ferrovia Norte-Sul e sua importância na estrutura logística de Goiás e de todos os Estados vizinhos, durante a Expo Municípios 2019, realizada no Centro de Convenções de Goiânia.

Representando a Fieg, o vice-presidente Flávio Rassi ressaltou a importância da construção da Ferrovia Norte-Sul pelo seu impacto na infraestrutura logística do Estado, bem no desenvolvimento socioeconômico das cidades localizadas ao longo de seu percurso. “O que move o País é a capacidade empreendedora, a vontade, o desejo de construir. Então, eu peço aos senhores prefeitos que olhem com atenção para as novas pequenas e médias empresas que vão surgir ao longo da ferrovia. A pequena e a média empresa precisam do apoio e incentivo do Estado e município”, afirmou. Ele ainda enfatizou a luta incansável da Federação das Indústrias em defesa do Sistema S, que proporciona aos municípios o acesso à educação, tecnologia e inovação.  

O painel sobre Ferrovia Norte-Sul contou com participação também do governador do Maranhão, Flávio Dino, do presidente da Federação Goiana de Municípios, Haroldo Naves, do secretário de Indústria e Comércio de Goiás, Wilder Morais, do diretor Regional do Senac/ Sesc, Leopoldo Veiga Jardim, e do deputado estadual Vinícius Cirqueira (PROS).

O secretário Wilder Morais salientou que a Ferrovia Norte Sul é a “espinha dorsal” do transporte no Brasil. “Com a entrada em operação, a mercadoria fretada por esse modal vai ter a redução significativa no preço final”, acrescentou o secretário. O debate abordou ainda a perspectiva de Goiás contar, nos próximos anos, trecho da Ferrovia Transcontinental, que ligará Água Boa, em Mato Grosso, até Campinorte e Mara Rosa. Com 901 km de extensão, esse trecho escoará a produção de grãos (soja e milho) do centro norte do Estado de Mato Grosso, maior região produtora de soja do Brasil (o correspondente a 10% da produção mundial desse grão), em direção aos principais portos do País.

No debate com os participantes, o ex-deputado estadual Fábio Tokarski saiu em defesa dos incentivos fiscais para as indústrias e de maior investimento na educação. “Nós sabemos que para não ficarmos dependentes só da exportação de grãos é importante industrializar. Hoje nós estamos numa situação muito grave, como industrializar se não investirmos em educação, em ciência tecnologia e inovação? Eu penso que os goianos, os brasileiros, precisamos dar as mãos para que nós retomemos os incentivos, os financiamentos públicos à inovação, à educação e à ciência”, disse.

Escreva um comentário: