18 Jul. 2019, 07h37

Equipe do Sesi Canaã é ovacionada na chegada a Goiânia

Representantes do Sistema Fieg, imprensa, parentes e amigos estiveram no Aeroporto Santa Genoveva para receber os jovens goianos que venceram o Mundial de Robótica nos Estados Unidos

Festa, emoção e muita comemoração marcaram a chegada dos alunos do Sesi Canaã a Goiânia, após conquistarem o 1º lugar no Torneio Aberto de Robótica de West Virginia, nos Estados Unidos. Na noite desta quarta-feira (17/7), a equipe Gametech Canaã desembarcou no Aeroporto Santa Genoveva, recepcionada por amigos, parentes, colegas e imprensa, além de dirigentes, gestores e colaboradores do Sistema Fieg.

“A conquista nos mostra que nossos jovens são tão aptos quanto quaisquer outros do mundo para vencer desafios, bastando, para tanto, apresentar a eles a oportunidade de ter o conhecimento, aprender, estudar e ter as ferramentas corretas. Essas ferramentas e oportunidade foram oferecidas pelo Sesi, por meio do Sistema Fieg. Quando uma pessoa apta se une com a oportunidade adequada, vira vitória E é esse o legado que o Sistema S quer deixar para o Brasil”, declarou o vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Goiás (Fieg), Flávio Rassi.

A competição foi realizada no último final de semana (14 e 13 de julho), em Fairmount, nos Estados Unidos. O time goiano conquistou o Champion's Award, o maior prêmio do torneio, que é considerado um dos mais importantes do mundo na área. A equipe Lego of Olympus, do Sesi do Distrito Federal, ficou em 2º lugar, seguida pela equipe local.

Os estudantes desembarcam em Goiânia nesta quarta-feira (17) sob o olhar orgulhoso de amigos, parentes e de dirigentes, gestores e colaboradores do Sistema Fieg. Para o superintendente do Sesi e diretor regional do Senai, Paulo Vargas, o 1º lugar no Aberto de Robótica “representa o acerto da política educacional do Sesi em adotar em seu processo de ensino a robótica e valorizar essa área, que fornece ao aluno um conjunto de competências mais moderno, voltado para as reais necessidades das indústrias goianas, inclusive a indústria 4.0”.

“Tudo que ofertamos no Sesi é para todos e não para um determinado grupo ou para determinada turma. Logo, consideramos que essa premiação constitui uma bela oportunidade e também um estímulo muito poderoso para quem quer se preparar bem para o mercado de trabalho da atualidade e também se preparar em profissões do futuro, para um mercado que está cada vez mais exigente e próximo”, ressaltou Paulo Vargas.

A COMPETIÇÃO
O Torneio Aberto de Robótica, entre 12 e 14 de julho, na cidade de Fairmont/West Virginia (EUA), foi realizado pela FIRST, uma organização não governamental que promove Educação, Ciência e Tecnologia. O evento reuniu mais de 600 estudantes, distribuídos em 62 equipes, de 14 países, entre eles: Brasil, Estados Unidos, Canadá, Costa Rica, Equador, Chile, Uruguai, Colômbia. As equipes conquistaram as vagas para o torneio nos Estados Unidos, durante o Festival SESI de Robótica, em março, no Rio de Janeiro. 

“Levar na bagagem para a nossa pátria o maior prêmio de um torneio tão importante é algo indescritível. É um estímulo para todos os estudantes, para toda a equipe. Tudo isso foi possível graças ao apoio que recebemos de toda a diretoria do Sesi e Senai, que não mediu esforços e estão sempre prontos para nos apoiar. Sinto muito orgulho, gratidão e emoção”, declarou, emocionada, a diretora do Sesi Canaã, Antônia Stecca, que chefiou a delegação goiana nos EUA.

“É difícil encontrar palavras para definir nossa alegria, tamanha a emoção, a gratidão e o orgulho em termos na equipe de professores tão dedicados e compromissados, acompanhando, treinando e fazendo todo o trabalho com os alunos da equipe. Agradeço e cumprimento todos os professores da nossa escola. Nossa equipe representou maravilhosamente os estudantes brasileiros”, completou a diretora.

O CHICLETE
O tema proposto pela organização do Torneio Aberto de Robótica para a temporada 2018/2019 foi Into Orbit (em órbita, em português), desafiando os estudantes a pesquisar sobre questões relacionadas a viver e viajar no espaço. As equipes tiveram de identificar e propor uma solução inovadora para um problema físico ou social enfrentado durante as viagens de exploração espacial.

Durante as pesquisas, os estudantes de Goiânia perceberam que, por conta da gravidade, os astronautas ficavam com as vias superiores congestionadas e não conseguiam sentir o sabor dos alimentos. Para aliviar o problema, são utilizados medicamentos para desobstruir as vias nasais. Porém, o hábito de usar continuamente esse tipo de remédio, além de viciar, pode causar problemas de saúde.

A solução criada foi o chiclete, que é uma goma feita com componentes da pimenta. Assim, basta o astronauta mascar o chiclete dez minutos antes de comer e ele conseguirá sentir o sabor do alimento. Por ter sabor apimentado, o produto foi batizado "Chiliclete", fazendo alusão ao Chili, prato típico do México - ensopado picante de carne, pimenta, tomate e feijão.

Para Flamarion Moreira Gonçalves, um dos professores do Sesi Canaã que comandam a Gametech, uma pesquisa como essa impulsiona não só o Sesi Canaã, mas os grupos de professores e alunos das várias escolas pelo País. “É preciso frisar que, no Brasil, temos muito bons professores e estudantes, mas precisa de investimento maior”, cobrou Flamarion.

“Nós temos uma certa facilidade devido ao bom suporte que o Sesi dá com material, laboratórios. Isso tem de ser oportunizado a todos os estudantes de todas as escolas. São condições que devem chegar a todo local onde tem um professor e um aluno que se interesse pela ciência”, salientou.

OUTRA CONQUISTA
Além da conquista do Champion’s Award, a Gametech ficou em 2º lugar em outra categoria: a Robot Performance. Os estudantes foram avaliados pela construção do robô de Lego, pelo desempenho dessas máquinas em missões autônomas e pelo trabalho em equipe. Foram quatro critérios de avaliação aplicados na competição: Projeto de Pesquisa para colocar as ideias no papel; Design do Robô para desenvolvê-lo; Desafio do Robô, quando a equipe tem de cumprir missões com o equipamento; e a Core Values, quando é avaliado o trabalho em equipe.

NASA
Sábado (20/7), completará 50 anos da chegada do homem à Lua. Aquele pequeno passo para o homem se tornou um grande salto para a humanidade, como bem definiu o astronauta Neil Armstrong, o primeiro humano a pisar na Lua. A expectativa dos jovens da Gametech é fazer parte deste salto, se não indo ao espaço literalmente, mas podendo ver o chiclete sendo utilizado pelos astronautas da NASA, que estão Estação Espacial Internacional (ISS em inglês).

“Foram 11 meses de pesquisa, de aprimoramento de robô, de construção. Disputar uma competição fora do País, representando o Brasil e ainda levar o prêmio para casa é um orgulho muito grande. É gratificante para mim e para meus colegas”, comemorou Danlucas de Mendonça Ribeiro, de 17 anos, integrante da Gametech que e está no 3º ano do Ensino Médio no curso técnico de Manutenção Automotiva.

“Vendo a base da Nasa, me inspirei muito para seguir este caminho de automação, foguetes, tecnologia. Esse é o caminho que eu quero para meu futuro”, revelou o estudante do Sesi.

GIRL POWER
A Gametech é formada por sete alunos do Sesi Canaã. Ana Sofia Gonçalves Dourado, de 17 anos, está no 2º ano do Ensino Médio do curso Técnico em Alimentos e é a única garota da equipe, representando a força feminina no desenvolvimento do projeto. Há equipes formadas exclusivamente por garotas em competições como o Torneio Aberto de Robótica. Porém, a proporção de garotos ainda é maior.

Assim, a contribuição de Ana Sofia na equipe vai além de seus conhecimentos técnicos. A representatividade do talento feminino serve de estímulo para outras estudantes brasileiras. “Sou a única garota da equipe, porque não tiveram outras que vieram para fazer a seletiva. Creio que agora, nossa conquista seja um incentivo a mais para que mais garotas participem”, estimou.

Agora, a expectativa de Ana Sofia é da realização de uma grande meta: ver o chiclete que a Gametech desenvolveu ser utilizado pelos astronautas. “É algo surreal para mim participar dessa conquista. Não imaginei que a gente chegaria onde chegou. Conseguir que o chiclete possa ir ao Espaço seria um sonho realizado, pois é nosso objetivo desde o início do desenvolvimento do projeto”, finalizou.

Fotos: Alex Malheiros

O QUE É A MISSÃO GARATÉA?

PERFIL DOS COMPETIDORES

EQUIPE VENCEDORA

A Gametech é formada por 7 alunos, 2 professores, 1 supervisora e 1 diretora

DIRETORA DO SESI CANAÃ


Antônia
Stecca

 

SUPERVISORA


Patrícia
Carvalho

 

PROFESSORES
Flamarion Moreira Gonçalves
Harumi Fukuchima

ESTUDANTES

Ana Sofia Gonçalves Dourado
17 anos
Cursa o 2º ano Ensino Médio - Técnico em Alimentos

DanLucas de Mendonça Ribeiro
17 anos
Cursa o 3º ano Ensino Médio - Manutenção Automotiva

Eduardo Lemes Ribeiro
16 anos
Cursa o 2º ano Ensino Médio - Edificações

Felipe Caetano Valverde
16 anos
Cursa o 2º ano do Ensino Médio - Edificações

João Paulo de Lima Gonçalves
17 anos
Cursa o 3º ano Ensino Médio - Manutenção Automotiva

Kairo Gabriel Ceciliano Silva
16 anos
Cursa o 2º ano do Ensino Médio - Gráfica

Miguel Silva Dutra
16 anos
Cursa o 2º ano do Ensino Médio - Comunicação Visual

Escreva um comentário: